sábado, 28 de março de 2009

Poema de JOÃO BORGES

Lá ao longe está a vida, e eu aqui a vê-la decorrer sem tomar parte nela.
Sinto por vezes que tenho muita idade. Estou cansado e desiludido. É como se tivesse feito um percurso e o fim dele se aproximasse já.
Talvez seja mesmo isso.
Sei que dentro de mim, alastra esta tristeza e a vontade de não estar aqui. Fora de mim, este largo é caótico, são os carros que quase se atropelam, as pessoas velhas, feias, mal vestidas e quando falam parecem alucinadas; uns quantos jovens, alguns mais velhos que eu, não têm noção de que mundo é este e entregam-se de olhos fechados ao paraíso que outros ficcionaram para eles.
Dentro de mim , a solidão de um amor que se desfaz e se repete, corroendo-me. Tudo é negro e cansativo. Há o silêncio que equivale à morte e o meu cadáver esquecido no deserto.
No entanto o coração insiste em bater, os pulmões respiram e acabo por viver mais um dia e mais outro, paredes -meias com este pesadelo.

4 comentários:

GLAUBER disse...

muito bom...

sleeping beauty disse...

Obrigada pela visita.
O poema do João Borges é brutal, pela consciência de uma realidade que toca a alma. Poucos conseguem ver ou sequer, admitir.

Anónimo disse...

Para quem é tão jovem, estas palavras já "carregam" alguns passos, da existência, menos leves...
Gostei muito.

Supermassive Black-Hole disse...

não é o Boi da Paciência, mas eu estou orgulhoso. Obrigado Graça, Glauber e ao anonimo