sexta-feira, 13 de maio de 2011

A MUSA...

«Havia nela como que uma falha,que provinha da exaustão e da deficiência alimentar, dando-lhe um ar furtivo de gazela, que fez cair as apresentações. (...)
Jonh Everett Millais comprendeu a origem do fascínio de Miss Sid. Tinha um corpo selado na tragédia, um apetite sacrificial. "Hei-de pintar esta mulher", pensou. Imaginava-a num cenário de narcisos. Não sabia que estava a vê-la morta.»


Hélia Correia


ADOECER, Relógio D'Água Editores, Lisboa, 2010

2 comentários:

Supermassive Black-Hole disse...

Uma análise muito interessante da Hélia. Realmente esta fase da história da arte tem muito a dizer...

sleeping beauty disse...

Sim, mas agora! No olhar e na investigação exaustiva da Hélia Correia. A aprendizagem da arte numa faculdade de Belas Artes NUNCA FOI ATRAVESSADA por um olhar tão fundo e psicológico. Perda para os alunos...Com duas ou três décadas de diferença e não haverá grandes mudanças...Só alunos especiais vão ao pormenor da compreensão de um quadro que se revela, porque houve uma vivência única entre artistas e modelos!!!