sábado, 25 de janeiro de 2014

O Botequim da Liberdade de Fernando Dacosta

« Quando a crise não é geradora de grandes audácias, mais indicado é dar-lhe o nome de agonia.»
Natália Correia

Estou a ler o livro do Fernando Dacosta O Botequim da Liberdade e estou a adorar. Este livro chegou-me pelo correio, esta semana e enviado pela minha querida amiga Manuela GSantos, que teve o privilégio de conhecer bem a Natália e ser amiga dela. Por acaso, numa viagem que a Natália Correia fez ao Porto, e a Manuela também vinha no grupo, tive o prazer de a conhecer. Por ironia do destino, nessa noite, depois de um jantar fabuloso no Twins Foz, reservada toda a sala para o grupo da Natália, e depois pela noite fora, em casa de uma amiga comum, a Teresa Pinto da Silva, falava-se de Maria Gabriela Llansol! Bons tempos. Faltam MULHERES assim em Portugal!!

2 comentários:

deniselaranja disse...

Acabei de fazer um vôo no avião NATÁLIA CORREIA da TAP! E por grande coincidência, fui ler quem foi ela, pois não a conhecia... Nasceu nos Açores, foi romancista e ensaista, e foi importante na luta contra o fascismo. Morreu em 1993. Foi uma grande coincidência ficar a saber quem foi Natália Correia no dia que li este teu post :) Hoje as mulheres são diferentes, talvez.. Os homens também. Mudanças!! Boas leituras!

Graça Martins disse...

Que gira coincidência, realmente. Ficas a saber que estive com essa escritora no Botequim a jantar e depois no Porto, em casa da nossa amiga Teresa. Era uma mulher com uma presença e inteligência extraordinária.
Beijinho sobrinha