sábado, 6 de abril de 2019

Aurora Pedro Pinto, Graça Martins, Helena Nozes, Maria Bochicchio, Isabel de Sá e Valter Hugo Mãe. Lançamento do livro de poesia O REAL ARRASA TUDE, de Isabel de Sá, da nova colecção "elogio da sombra" coordenada por Valter Hugo Mãe, e editada por Vitor Gonçalves da COOLBOOKS/PORTO EDITORA. Porto. 2019



Maria Bochicchio, a poeta Isabel de Sá, Valter Hugo Mãe e Helena Nozes.


Aurora Pedro Pinto e Isabel de Sá - Lançamento do livro de poesia -O REAL ARRASA TUDO.


Aurora Pedro Pinto e Isabel de Sá.


Isabel de Sá, Vitor Gonçalves, Luís Costa, Maria Bochicchio e Valter Hugo Mãe.


Isabel de sá, Luís Costa e Valter Hugo Mãe.


O REAL ARRASA TUDO - LANÇAMENTO /POETRIA - 1ªPARTE.


O REAL ARRASA TUDO - LANÇAMENTO /POETRIA - 2ªPARTE


OS AMIGOS no lançamento do livro de poesia de Isabel de Sá - O REAL ARRASA TUDO. Editado pela COOLBOOKS/Porto Editora, Porto, 2019.


Lançamento do novo livro de poesia de Isabel de Sá. 16 de Março, POETRIA/Galerias Lumiére. Porto. Na mesa o editor da Coolbooks/Porto Editora, Vitor Gonçalves, a poeta Isabel de Sá, Maria Bochicchio e Valter Hugo Mãe.


O REAL ARRASA TUDO - ISABEL DE SÁ. Nova colecção de poesia coordenada por Valter Hugo Mãe "elogio da sombra", da COOLBOOKS/Porto Editora. 16 de Março de 2019. Entrevista a Isabel de Sá por Maria Bochicchio.


quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Trabalho de Isabel de Sá - Centenário de Amadeo de Souza-Cardoso 2018


Trabalho de Graça Martins - Centenário Amadeo de Souza-Cardoso 2018


Inauguração -Centenário de Amadeo de Souza-Cardoso - Museu Municipal de Espinho.


Centenário Amadeo de Souza- Cardoso - Museu Municipal de Espinho. Nas fotos: Augusto Canedo, Helena Nozes, Ágata Rodrigues, Graça Martins, Do Carmo Vieira, Maria Bochicchio, Maria João Venâncio, Margarida Leão e Henrique Silva.




AMADEO


Fotografias de ANNIE LEIBOVITZ

Fotografia e Narcisismo - Margarida Medeiros, Assírio & Alvim

"Quando Rimbaud escreveu «Je est un Autre», não estava certamente a ilustrar Freud. Falava por si mesmo da percepção interna de uma cisão ireversível de que acabara de se aperceber, e a cuja dor, desde aí, a arte do séc. XX não tem deixado de referir.
A arte, como mais nenhuma forma de discurso, leva sempre adiante no equacionamento das questões fundamentais. E longe de ser essa ilustração das ideias de uma época, ela está antes do lado da anunciação dos seus sentimentos mais urgentes."
Margarida Medeiros, Fotografia e Narcisismo. Assírio & Alvim, 2000, Lisboa